O dia em que desapareci

No dia em que desapareci nada foi realmente diferente pra ninguém. A maior parte das pessoas nem sequer reparou, e pra quem não me conhecia, o vento soprava da mesma maneira e o sol brilhava da mesma maneira e tudo funcionava da mesma maneira. Mas eu desapareci. Não fui sequestrado nem fui abduzido nem fugi de casa nem me perdi nem viajei. Eu desapareci por completo e eu olhava meus braços e as cores iam ficando lavadas e lavadas e lavadas. As cores de tudo. Eu enxergava um clarão muito forte, ...Continue lendo.

Solar

Pouca coisa me deixa mais sem palavras do que a incerteza. Escrever é meu motor pra continuar vivendo, e se de alguma maneira tudo parece solto ou frouxo ou incerto, me perco. Me perco e não escrevo. E não vivo, apenas levo. Essa incerteza tem perturbado minha cabeça nessas últimas conturbadas semanas, e eu já nem sei mais do que faço ou falo ou sinto. Queria deixar quieto e esperar que a vida se encarregasse de consertar o que quer que exista de errado, mas acontece que não. Não e não ...Continue lendo.

E a árvore disse:

- Você tem medo de amar, como todos nós. Eu costumava ter medo de amar também. Eu costumava ter medo porque o amor veio e levou de mim esse pedaço que você não está vendo. Ficou faltando um pedaço. Eu fiquei um pouco sem cor, um pouco morta mesmo quando florida. Mas não, não era nada disso, nunca foi nada disso. Não era amor. Amor não tira pedaço nem leva nada embora. Amor não é aquilo que dói ou aflige ou incomoda em algum nível mesmo os níveis imperceptíveis de incômodo. É ...Continue lendo.

A Fera

Eu encostei com medo de encostar e de por alguma razão assustar a fera que jazia ali, parada e aparentemente morta. Coloquei a mão com muita muita calma, tentando mentalizar que se me mantivesse tranquila, ela sentiria e não faria nada comigo. Afaguei os pelos, que eram fartos e macios e negros muito muito negros. O coração batia forte e fez minha mão vibrar, enquanto eu continuava acariciando e o medo ia e ia e ia embora. Não era mais medo o que eu sentia. Era a excitação pelo novo. Era ...Continue lendo.

Eu

Eu caí e fui caindo e caindo e batendo e batendo, mas de repente não. De repente eu estava voando ou flutuando ou em alguma espécie de lugar onde não existia espécie alguma de gravidade. Meu estômago se revirava enquanto eu tentava retomar o controle do corpo e de suas funções e de suas desfunções e de suas disfunções. Eu levitava, talvez. Eu levitava e eu voava e eu flutuava e eu era a mistura disso tudo num espaço curto, muito muito curto de tempo. Eu inventava palavras e de repente ...Continue lendo.

Borboletas, vagalumes, cores e coisinhas

Existe céu, postei esses dias. Existe casa. Existe gente. Existe conforto. Quando confortável falo muito muito muito. E rio alto. E me desfaço em mil pedacinhos pelo ar. Existe céu e existe paisagem e existem montanhas por trás de tudo que eu olho, pelos caminhos por onde passo, pra me lembrar que existe mato quando a cidade cansa. Pra me lembrar que a natureza resiste, ainda, por entre tudo que se constrói. Construir é da nossa natureza, e eu gostaria que destruir não fosse. Como se fosse ...Continue lendo.

Gratidão

Hoje foi um dia cheio de uma porção de coisas que me fizeram sentir muito bem. Comecei o dia propondo uma experiência na página da minha empresa, de escolher cinco razões pra ser grato pelo início de mais uma semana. A ideia é encontrar essas cinco razões diferentes toda manhã de segunda feira, como forma de olhar a vida com outros olhos e perceber que mesmo nos piores momentos, sempre temos algo a agradecer. Por piores que as coisas pareçam de vez em quando, existe sempre o contorno prateado ...Continue lendo.

Um pouco um muito sobre mim

Choro toda vez que ouço Don't stop believin' e não sei bem explicar porque. Só consigo fazer arrumação ouvindo música, mas de vez em quando preciso de silêncio pra continuar. Odeio andar de ônibus sem fone de ouvido e normalmente me deixa perturbada o resto do dia, mas ultimamente tenho me sentido bem ouvindo o barulho da rua e das pessoas. Como se por ouvir as coisas ao redor eu me sentisse parte de algo muito maior do que eu. Algo que os fones de ouvido me impedem de participar. Gosto de ...Continue lendo.

Faz-se o caminho ao andar

De vez em quando bate a sensação da perda total do controle. Como se outra pessoa tivesse tomado o volante das nossas mãos e estivesse dirigindo nossa vida, ou feito colocar no piloto automático. Como se nos contentássemos com o papel de melhor amigo quando deveríamos ser protagonistas da nossa própria história. Vira e mexe me sinto assim. Não por ser fraca ou coisa parecida, mas porque é fácil se deixar levar pelo entorno, sem enxergar o panorama completo das situações. Sou muito suscetível ...Continue lendo.

Caminhar e caminhar e caminhar

Caminhar é provavelmente uma das minhas coisas favoritas na vida. Aliás, não, sem "provavelmente": caminhar é definitivamente uma das minhas coisas favoritas na vida. Eu poderia andar por dias e dias. Eu poderia passar todo o meu tempo vagando e ouvindo música e pensando na vida e nos acontecimentos. Além de ser bom pra saúde, andar faz bem por dentro. Quando vagamos - com ou sem destino - somos expostos a novas paisagens, a visões diferentes nos caminhos rotineiros. Dá pra descobrir novos ...Continue lendo.